You are currently viewing Pacientes críticos com intolerância alimentar: nutrição enteral intermitente ou contínua?

Pacientes críticos com intolerância alimentar: nutrição enteral intermitente ou contínua?

Alimentação intermitente e contínua são estratégias de administração de nutrição enteral comumente utilizadas. A alimentação intermitente é considerada mais viável e fisiológica do que a alimentação contínua, pois dá aos pacientes mais mobilidade e mantém a secreção e digestão hormonal gastrointestinal regular. A alimentação contínua é com uma velocidade de infusão mais baixa e é teoricamente uma estratégia de administração de nutrição enteral mais segura em relação à intolerância alimentar. Cada método tem seus próprios méritos, e qual é o melhor para adultos gravemente enfermos ainda é controverso.

Nesse sentido, recentemente foi publicada uma meta-análise que teve como objetivo esclarecer os efeitos da alimentação intermitente versus contínua na intolerância alimentar durante a nutrição enteral em adultos gravemente enfermos.

O trabalho incluiu 14 estudos com 1,025 adultos gravemente doentes e apresenta os seguintes resultados:

  • Em adultos gravemente enfermos, a alimentação contínua está associada a uma menor incidência geral de intolerância alimentar em comparação com a alimentação intermitente, bem como à diminuição dos riscos de alto volume gástrico e aspiração.
  • A diminuição da incidência de constipação e a ingestão de mais calorias são observadas no grupo de alimentação intermitente em comparação com a alimentação contínua.
  • Recomenda-se que a alimentação contínua seja preferida para pacientes com alto risco de intolerância alimentar e, se os pacientes puderem tolerar a nutrição enteral gradualmente, a estratégia de entrega deve ser mudada para alimentação intermitente.

Entretanto, é importante ressaltar que esta meta-análise tem várias limitações, que incluem o fato de que as duas estratégias de alimentação podem ser facilmente distinguidas, o que torna difícil garantir a cegueira nos estudos; alguns estudos apresentarem viés na randomização e o tamanho de amostra dos estudos avaliados era limitado – apenas um era multicêntrico. Por esses motivos, os resultados desta meta-análise devem ser interpretados com cautela.

Nesse sentido os autores concluem que mais ensaios clínicos randomizados e controlados de alta qualidade são essenciais para esclarecer os efeitos da alimentação intermitente e contínua na nutrição enteral em pacientes criticamente enfermos.

Para esclarecer essa e outras dúvidas sobre nutrição do paciente crítico não perca o Ganepão Update. Neste sábado, dia 11, reuniremos profissionais renomados que trarão ciência e prática clínica na UTI. Ainda dá tempo de se inscrever, corra!

Referência

Ma Y, Cheng J, Liu L, et al. Intermittent versus continuous enteral nutrition on feeding intolerance in critically ill adults: A meta-analysis of randomized controlled trials. Int J Nurs Stud. 2021;113:103783. doi:10.1016/j.ijnurstu.2020.103783

Por favor, aguarde.
Carregando...