You are currently viewing Diversidade, Equidade e Inclusão segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia

Diversidade, Equidade e Inclusão segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia

A Comissão de Diversidade, Equidade e Inclusão da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) recentemente lançou uma cartilha para atender uma grande demanda de profissionais na saúde em compreender os princípios de equidade e os impactos que a prática dos mesmos pode exercer no dia-a-dia clínico.

Na cartilha, a Diversidade tem posição de destaque, com a caracterização de multiplicidade e pluralidade não homogênea. Ainda é ressaltada a importância da diversidade no contexto social, onde há a convivência com indivíduos de diferentes etnias, cores, culturas, gêneros, orientações sexuais, entre outros. “A diversidade quando acolhida e valorizada, enriquece a convivência humana”, assim termina o capítulo da Diversidade segundo a SBEM.

A Equidade é a adaptação de uma regra existente, afim de deixá-la justa e igualitária a todos. Diferente da igualdade, onde todos têm acesso as mesmas oportunidades para chegar a um mesmo desfecho, a equidade é o reconhecimento das diferenças entre os indivíduos, afirmando que as oportunidades devem ser diferentes para ajudar a todos alcançarem os mesmos objetivos.

A inclusão é a prática de prover as mesmas oportunidades e recursos uma pessoa ou grupos minorizados (subgrupos existentes dentro da sociedade, considerados diferentes por características étnicas, sociais ou religiosas), sem exclusão e marginalização, entrelaçado com a equidade, para todos chegarem a um mesmo desfecho.

O preconceito também é abordado, descrito como um sentimento, pensamento ou conceito formado a priori sem conhecimento, ponderação ou razão prévia, especialmente de natureza hostil. Assim como o preconceito, a discriminação também foi citada como ponto chave, sendo ela, a ação de discriminar, segregar ou afastar o indivíduo por diferenças sexuais, sociais, religiosas, geopolíticas ou cor de pele. Já o Racismo, é abordado pela SBEM como distinção, exclusão ou restrição baseada em cor, descendência ou etnia, capaz de inibir as liberdades fundamentais dos outros indivíduos.

Demais temas de extrema importância que foram abordados em prol do equilíbrio diversidade, equidade e inclusão:

  • Invés inscosciente: se aplica ao agir do indivíduo guiado por preconceitos ou estereótipos, usualmente não reconhecidos.
  • Microagreções: ofensas ou insultos hostis, depreciativos e negativos, que podem ser verbais, comportamentais ou ambientais.
  • Sexo: designado ao nacer baseado na aparência dos órgãos genitais externos: feminino ou masculino;
  • Gênero: construção de visão social de acordo com vivências sobre as masculinidades e feminilidades;
  • Orientação sexual: atração física e emocional, independente do sexo atribuído ao nascimento, podendo ser naturalmente.
  • Cisgênero ou transgênico: pessoas que identidade de gênero coincidem (cisgênero) ou diferem (transgênero), em diferentes graus, do sexo designado ao nascer;
  • Feminismo: esforço ou movimento organizado por mulheres em prol dos mesmos direitos, poderes e oportunidades que os homens.

Referência: Cartilha de Diversidade, Equidade e Inclusão. Agosto de 2021. Comissão de Diversidade, Equidade e Inclusão da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), com o apoio da Diretoria Nacional da SBEM 2021 – 2022
https://www.endocrino.org.br/wp-content/uploads/2021/09/Cartilha-DEI-SBEM-2021.pdf

Por favor, aguarde.
Carregando...