You are currently viewing Impacto do isolamento nos hábitos alimentares de adolescentes

Impacto do isolamento nos hábitos alimentares de adolescentes

Um estudo conduzido na Itália, na Espanha, no Chile, na Colômbia e no Brasil identificou que o confinamento devido à pandemia de covid-19 influenciou os hábitos alimentares de adolescentes.

Os pesquisadores avaliaram 820 adolescentes entre 10 e 19 anos de idade que responderam questionários on-line de forma anônima onde registraram o número de dias que consumiram legumes, vegetais, frutas, doces, frituras, alimentos processados, bebidas adoçadas com açúcar e fast food na semana anterior ao início do confinamento e ao longo de uma semana durante o confinamento. Também foram coletados dados sociodemográficos e características das famílias.

Os resultados mostraram que o número de adolescentes consumindo a quantidade semanal de legumes recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) aumentou durante o isolamento social decorrente da pandemia: enquanto 22,7%, 15,4% e 6,1% dos participantes indicaram ter consumido, respectivamente, duas, três ou quatro porções de legumes na semana anterior ao início do confinamento, durante a pandemia a proporção de consumo de porções deste tipo de alimento aumentou para 25%, 16% e 7,4%, respectivamente.

A frequência de consumo de vegetais também aumentou, passando de 35,2% para 43,0%. O mesmo aconteceu com as frutas: antes do confinamento apenas 25,5% dos jovens comiam pelo menos um pedaço de fruta por dia, mas, durante a pandemia, essa taxa subiu para 33,2%.

Os participantes reduziram ainda o consumo de fast food: antes do isolamento social apenas 44,6% dos adolescentes relataram que consumiam esse tipo de alimento menos de uma vez por semana, porém, durante a pandemia essa taxa passou para 64,0%.

Em contrapartida, antes da pandemia, 14% dos jovens relataram comer doces todos os dias, uma percentagem que aumentou para 20,7% durante a pandemia. De forma similar, a taxa de adolescentes que comeu frituras quatro dias na semana passou de 7,4% para 8,8%.

Além disso, assistir televisão durante as refeições também foi relacionado com menor consumo de vegetais e frutas, e maior consumo de frituras, doces e bebidas adoçadas com açúcar durante o confinamento.

Os resultados observados no estudo podem sugerir que, durante o confinamento, as famílias passaram a utilizar a comida como uma forma de recompensa. Por estarem mais tempo em casa e, diante da situação emocional gerada pelo confinamento, parecem estar mais ansiosas, e algumas compensando na ingestão de doces e frituras. O ponto positivo da quarentena foi o resgate do hábito de cozinhar em casa, mas enquanto profissionais, é importante orientar as famílias para que façam escolhas adequadas, com menos uso de alimentos ultraprocessados e excessivamente calóricos e a investir também nas práticas de estilo de vida saudável.

Referência

Ruiz-Roso MB, de Carvalho Padilha P, Mantilla-Escalante DC, et al. Covid-19 Confinement and Changes of Adolescent’s Dietary Trends in Italy, Spain, Chile, Colombia and Brazil. Nutrients. 2020;12(6):1807.

Deixe um comentário

Por favor, aguarde.
Carregando...