You are currently viewing Tratamento em pacientes com Leucemia Mieloide Aguda podem induzir alterações duradouras na microbiota intestinal

Tratamento em pacientes com Leucemia Mieloide Aguda podem induzir alterações duradouras na microbiota intestinal

Leucemia mieloide aguda (LMA), mais comum e mais agressivo tipo de leucemia, onde células-tronco mieloides, responsáveis por produção de células sanguíneas, são mutadas geneticamente, gerando células impossibilitadas de amadurecer, dando início a uma multiplicação descontrolada e impedindo o desenvolvimento saudável das demais células.

Estudos anteriores demonstraram que o tratamento quimioterápico em pacientes com LMA pode exercer fortes impactos na microbiota intestinal. A exposição a antibióticos durante o tratamento quimioterápico de indução, pode causar grandes rupturas na microbiota intestinal e, mesmo após a alta hospitalar e a redução do uso de medicamentos, a volta dessa homeostase intestinal ainda é incerta. Esse conhecimento é importante pois muitos pacientes passam por transplante alogênico de células-tronco tempos após o término do tratamento quimioterápico e uma redução na diversidade da microbiota intestinal pode ser preditiva de mortalidade pós-transplante.

Para essa descoberta, um estudo visou analisar a microbiota intestinal em 52 pacientes adultos hospitalizados com diagnóstico de LMA. Foram coletadas amostras de fezes 2 vezes por semana durante a hospitalização inicial para tratamento quimioterápico e nos meses 3 e 6 após alta da quimioterapia. O uso de antibióticos seguiu o protocolo tradicional de tratamento e não foi feito uso de pré e probióticos neste estudo.

A idade média dos pacientes foi de 60 anos (27-80) e 59% eram do sexo masculino. Dos pacientes incluídos no estudo, 84% eram novos diagnósticos de LMA e 16% eram LMA recidiva. O regime de quimioterapia foi 7 + 3 (convencional ou lipossomal; com ou sem agente adicional) em 35 (69%) pacientes, clofarabina à base de 9 (18%) pacientes e menos intensivo em 7 (13%) pacientes.

Em análise das 410 amostras fecais coletadas durante o estudo, os pesquisadores perceberam que a exposição aos antibióticos foi prolongada e intensa, causando alterações progressivas da microbiota quando comparadas com a linha de base durante a hospitalização inicial. O surpreendente para os pesquisadores foi a diferença da microbiota na pós-alta quimioterápica ser mantida, sendo assim, a alta hospitalar não promoveu recuperação da microbiota a longo prazo, sugerindo que as comunidades que foram cultivadas durante o tratamento quimioterápico e de alta exposição a antibióticos analisadas na alta hospitalar, foi estável e persistente a longo prazo. 

Os pesquisadores concluíram que, uma grande proporção de espécies dentro de gêneros específicos são perdidos durante a hospitalização, resultando em um encolhimento geral de gêneros ao final da hospitalização. Após a alta hospitalar, as espécies perdidas foram substituídas por novas espécies,  predominantemente dentro do mesmo gênero. Embora esse processo lento possa restaurar as abundâncias dos gêneros e a composição da microbiota, criaram-se novas comunidades de espécies que podem ter efeitos imprevistos sobre o hospedeiro. 

Os resultados indicam também, que essas mudanças foram duradouras na microbiota intestinal pós quimioterapia de indução em pacientes com LMA e que a redução da carga de antibióticos, tratamento da microbiota ou transplante fecal podem ser necessários para não haver uma sobrecarga nas próximas fases de tratamento, como o transplante de células-tronco.

link:https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC9198907/

Por favor, aguarde.
Carregando...